sexta-feira, 29 de janeiro de 2010

terça-feira, 26 de janeiro de 2010

Rua qualquer

Caminho pela "enésima" vez nas ruas da minha rotina... Conheço-as de cor e já nada me dizem. Sempre as mesmas caras, prédios, lojas, cheiros, zumbidos e berros da ex-peixeira que agora vende meias, num negócio paralelo e obscuro com a cigana das notas de 50 euros.
Já nada me desperta naquele cenário... nem a curiosidade... ali, sou como todos os outros, sou apenas mais uma que passa despercebida, na multidão que se arrasta sem saber contemplar a vida que lhes passa ao lado.
Hoje foi diferente. Uma coisa é já não dar importância, por serem imagens repetidas vezes e vezes sem conta, outra bem diferente é passar por lá, procurar sentir e nada! Não provocam nada em mim... apenas cansaço...
A realidade é que não são as ruas que me enervam ou cansam, é a cidade de sempre que me esgota a alegria. E isso... isso é realmente triste.

segunda-feira, 25 de janeiro de 2010

domingo, 24 de janeiro de 2010

Rewind....

Tenho saudades do verão. Não dos dias quentes invés dos frios. Não das camisas finas em oposição às camisolas de malha. Tenho saudades de ti, e dos outros... do que eram nessa altura.
Longe vão os dias em que o calor fazia de todos, seres felizes, anestesiados pelo aumento da melanina, que riam e gozavam a eterna juventude... Sobram os dias cinzentos e chuvosos que revolvem a areia onde nos deitámos e enraivecem as ondas onde nadámos... sobras tu... os outros.. cinzentos como o céu, na ressaca dos dias que já nem lembram, deprimidos e calados, nos corpos brancos e de braços serrados como que em negação do mínimo contacto físico.
E que culpa tenho eu se o inverno chegou? Que o sol se tenha ido e a areia esteja húmida? Não fui eu que deixei de rir, não fui eu que me calei, não é por minha causa que se deixaram absorver pela apatia...
E assim, continuam... Vagueando pelas mesmas ruas de sempre com o olhar cheio de nada... Agora sou eu que desisti de as percorrer... cansada do mesmo serão de sempre, do vaivém de corpos que se arrastam de copo na mão como se o amanhã fosse uma tarefa difícil de realizar...
Desisti de pensar, de me preocupar, de querer saber... E eu correria pela praia, ria, iria ao mar, rolaria pela areia molhada, se soubesse que isso traria em todos, os dias de verão... mas em todos, o inverno veio para ficar... e quem sou eu para afastar as tempestades? Nada! Ninguém... um mero grão de areia afogado pelo peso imenso das águas geladas de inverno.

Pensamento da madrugada

Engraçado como as pessoas têm um péssimo timming... como gostam de criticar e apontar os defeitos dos que realmente são amigos, só porque é mais fácil, ou porque estão ali, à mão de semear... e assim, em vez de cortar o mal pela raíz, com os que realmente nos fazem mal, apenas fazem remendos... Tempo depois, apercebem-se que os amigos se foram e o que restou foi uma fantástica colecção de bonecos de trapos.

Sentimento da madrugada

Quando o que dizemos não faz sentido.
Quando o que queremos dizer não se diz.
Quando as palavras não traduzem o que pensamos.
Quando já me cansei de falar.
Quando as palavras magoam.
Quando ficamos afónicos.
Quando chegamos a um beco sem saída.
Quando tudo o que nos resta é rezar mesmo que sejamos ateus.
Quando o que temos de fazer é esperar...
É isto que sobra... silêncio.

Cinco minutos

sexta-feira, 22 de janeiro de 2010

Coladela ^^

Meia meia.

Não interessa como fui parar àquele sítio. Nem como se chamava, o que fiz ou deixei de fazer… Mas interessa saber que numa realidade diferente da que estamos habituados, encontrei aquele elo de ligação, ao que nos surge sempre no dia a dia… o elo que desprezo porque me corta a ilusão, desliga-me das minhas fantasias… tira-me o prazer do desconhecido… Sentada numa mesa de estanho, estava uma mulher, banal como tantas outras, dando goles no seu chá de ervas com nomes difíceis de pronunciar, num programa fácil de observar…Não compreendo… desculpem mas não compreendo as mulheres que se sentam num bar, de saia versão cinto e de meias de liga a espreitar à vontade debaixo da saia, olhando em redor como o rei da selva quando mira o seu território… aquele bar era todo dela, por isso é que estava ali sozinha, cobiçando homens que se faziam acompanhados por mulheres menos fáceis, menos simples e muito menos desesperadas… Ou pelo menos, que sabiam disfarçar melhor… O que procurava ela? Quem? A meia… fácil… a meia procurava sair dali… do bar, da perna, largada nalgum quarto que a mulher já nem imaginava sequer, por tantas tentativas e sonhos destruídos, fantasias que nunca ninguém concretizou e que se resumiam a umas rapidinhas no carro velho e sujo do primeiro que lhe pergunta “posso sentar-me?”… A meia, por assim dizer, procurava sair, ser feita em “foguetes” pelas unhas da paixão e não pelas unhas escarlate da manicure à tuga… a mulher? A mulher procurava algo… qualquer coisa… um contacto, um olhar, um carinho, alguém que lhe calçasse um sapato naquela meia intocada, mas estava ali… escondendo os seus desejos, cansada por os adiar e esperar… “até quando?”- Pensava ela… sem nunca chegar a uma resposta… no entretanto, tomava um chá… versão dois em um para a cura do seu mal (ou pecado?), ou conhecia alguém, ou ia para casa sozinha, mas dormia um sono tranquilo, quem sabe com sonhos picantes do mentol? Quanto à meia solitária… a mesma gaveta a esperaria…ou então, o caixote do lixo… assim… como algo especial mas que a mulher tornou descartável, básico, simples, oferecido em troca de nada ou mote de olhares de gozo de quem a viu ali sozinha, no engate do príncipe invisível que tarda em chegar.



quinta-feira, 21 de janeiro de 2010

So much better...



"Tonight the music seems so loud,
I wish that we could lose this crowd.
Maybe it's better this way,
We'd hurt each other with the things we want to say."

segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

Another one =D

Primeiro amor

Primeiro amor no meio de alguns (des)amores... aquele sentimento que nos revolve a barriga... dizem que são como borboletas... não sei... nunca pus as coisas dessa forma... tinha planos, sonhos, sentimentos e amava... Era feliz... pelo menos achava que sim.
Estranha inocência que não nos deixa compreender que um primeiro amor é só isso... o primeiro... depois disso, as coisas não se ficam pelo "e viveram felizes para sempre"... depois vem o segundo... o terceiro... até àquele que é o definitivo...ou então até nos cansarmos de nos darmos a outros, ou até decidirmos o que queremos fazer da nossa vida...
Estranho sentimento esse a que chamam de "amor"... tinha 17 anos quando o conheci... naquela altura as coisas ainda estavam a começar a fazer sentido para mim... Para nós...porque o primeiro amor também estava confuso no meio daquilo que sentia... entre os pêlos da barba que o envelheciam num corpo que deixara à pouco de ser menino... Ainda estava a dar os primeiros passos no meu processo de auto-conhecimento...dias antes tinha-me aproximado do espelho e perguntado ao reflexo "quem és tu?"... e quando me apercebi, estava a flutuar... incrédula com o poder de um mero sentimento... o mesmo que nos fazia mentir aos pais, para fazermos coisas banais, mas que na altura nos surgiam como aventuras...Como diz a canção, "nessa altura, uma mentira era só uma forma de podermos estar juntos"... as mesmas mentiras que nos faziam desdenhar tudo e todos que nos impedissem de amar...
Naquele tempo não havia lugar para muita coisa... e se de alguma forma pudesse recuperar algo, seria a minha própria independência... porque nunca fui tão independente como ali... Sabia-me fazer de difícil quando era necessário, não ficava horas a bater na tecla do "se calhar tive alguma culpa", mesmo que não a tivesse... E ciúme? Isso passava com um beijo ou com uma flor arrancada da mata perto da escola...
Tínhamos 17 anos... depois 18... as coisas nessa altura aconteciam ao ritmo e velocidade da luz... do som, mesmo que não houvessem muitas conversas...mesmo que achássemos que poderíamos abdicar das palavras, para mostrarmos o que sentíamos... Estávamos apaixonados, achávamos-nos dignos desse direito, a bem dizer, dessa desculpa...
Chegou o dia... de largar o primeiro... de desistir dos planos e sonhos que estavam destinados a não passar disso e que só nós nunca compreendemos... Foram promessas quebradas e uma lição aprendida... mas só e apenas depois de muitas lágrimas soltas, um lavar profundo da alma, pensamento, e eye-liner de guerra.
Entretanto outros vieram... e outros se foram... nunca da mesma forma... tão ingénua, tão fácil e difícil ao mesmo tempo... O amor até aí, era algo complexo que nós facilitávamos... Hoje, não passa de algo simples, mas que complicamos... Maldita cabeça que se encheu de teorias e fórmulas matemáticas, que complicam e nos fazem sofrer... vieram ocupar um corpo que naquela altura não pensava... ficava-se pelo básico, pelo primitivo... pelo lado animal e não tão racional.. E isso era bom... contrariava toda e qualquer lei da vida, mas era o que nos fazia sentir felizes... Não se olhava a aparências, defeitos, qualidades ou condição económica... Saímos da fase em que pensávamos que as miúdas que se deitavam com os rapazes, eram putas... Não eram... não todas... Eram apenas como nós. Ou então éramos nós como eles...
No dia em que crescemos, essa parte morreu connosco...
E no dia em que morremos, morreu também a amizade... tínhamos cabeça para saber o que não queríamos mais, mas não tínhamos a suficiente, para saber conviver um com o outro sem ser abraçados num beijo longo e com uma cerveja na mão...
Não foi desperdício de tempo nem de vida... foi um processo de aprendizagem e de crescimento... se pudesse voltar atrás, não mudava um único parágrafo desta história.
Complexa. É assim que sou. Sou complicada, misteriosa... Tenho os meus dias bons que partilho com todos e os dias maus em que só quero isolar-me do mundo. E assim vivo bem. Sozinha no meu canto, a descobrir o mundo, guiada pela minha própria mão e não pela mão de alguém que só me leva por caminhos tantas vezes (demasiadas), percorridos.
Não é o mundo dos outros que quero viver. Não quero ser a felicidade deles, nem muito menos o sonho... quero que seja a nossa felicidade, os nossos sonhos... 1+1=2...
Sei que longe estão os dias em que serei clara como água, dias esses em que o que penso e digo, fará algum sentido no meio do caos que me rodeia... mas sou assim... perfeita no meu caos, organizada na desorganização e confusa quando tudo poderia ser tão simples. Nos restantes dias, se não me compreendem, então não me peçam respostas que não vão compreender, nem verdades que não querem ouvir e muito menos me perguntem coisas que até eu desconheço... Não me apetece falar. Apetece-me sentar num canto e escrever... escrever até não ter mais força, abstrair-me da realidade banal que sempre nos rodeia, desta forma não chateio ninguém e ninguém me chateia a mim... e o mundo continua a rodar como sempre faz... uns morrem outros nascem, vai-se o dia, chega a noite e cada um que pense nas suas próprias coisas como se não houvesse mais ninguém... A vida somos nós que a fazemos, não os outros, não o que dizem ou pensam de nós... Deixei de me importar. E se os outros não compreendem, é porque de alguma forma fizeram de mim mais uma no meio deste rebanho... igual ao comum dos mortais. Mas nós não somos iguais. Eu não sou como mais ninguém. Se fosse, que piada teria?

É isto que me apetece fazer hoje... ^^

Last one =)))))

domingo, 17 de janeiro de 2010

Conselho do dia depois da maratona de estudo...

Música da noite... dia?



"If you want to open the hole
Just put your head down and go
Step beside the piece of the circumstance
Got to wash away the taste of evidence
Wash it away"...

Out of time.

2010 começou... o balanço foi feito... Pego no que gosto e levo-o comigo. Deito fora o que não quero. Abraço quem merece. Amo quem me ama.
Nunca nada mais do que isto, alguma vez me interessou. Apenas os bons momentos, o carinho, a amizade, mas no meio de toda esta ânsia em busca de felicidade, esqueci-me da importância do tempo, do saborear os pequenos momentos segundo após segundo, minuto a minuto, sempre a pensar que não tinha tempo para tudo aquilo que ainda quero viver.
Resultado? Passaram os anos, os momentos e tudo o que resta são meras lembranças que guardo em mim como alguém que segura a vida nas próprias mãos, com medo de esquecer, de deixar que se evaporem os cheiros, os sentimentos, as palavras e caras só porque tinha pressa de viver...
Não vou mais viver assim... vou pegar no que quero, em quem amo e viver o hoje a pensar que amanhã podemos não amar, que o mundo pode acabar e se não acabar, então amanhã pensaremos numa forma de sobreviver ao depois de amanhã.

sábado, 16 de janeiro de 2010

Música da noite



Ontem, enquanto ouvia esta sra, um amigo achou que eu não devia estar muito bem :), sim, eu sei que quando se fala em The Gift, há sempre controvérsias, mas por muito difícil que possa ser, entender, é ao som de muitas destas músicas, que me sinto realmente feliz =)

sexta-feira, 15 de janeiro de 2010

Frase da noite

" Friends will always be strangers..."

quarta-feira, 13 de janeiro de 2010

Apelo de última hora... Carmen

Esta é mais uma pessoa como tantas outras que infelizmente se deparam com doenças raras e muitas vezes mortais, a não ser que... a não ser que pessoas (como eu fiz hoje), saudáveis leiam o jornal e decidam ser um pouco mais humanas... Não custa nada e ainda podemos salvar a vida a uma criança... Por isso mesmo... amanhã vou dirigir-me ao colégio dela e dar sangue... Para mais informações:


http://www.gcolegiouniversal.com/portal/?s=11808

Saudades do concerto no Hard Club...

segunda-feira, 11 de janeiro de 2010

Frase do dia ^^

Foge, foge enquanto é tempo e não me apareças à frente! =)

Fugiste mas encontrei-te. Perdeste-te nalguma rua, nunca soube bem se por quereres ou sem querer... Dei-te a mão e olhei nos teus olhos... Neles vejo a frieza da neve, o coração gelado e os fantasmas de um passado que não vai voltar... será por ele que me magoas? Hoje deixei a tua mão invisível... Hoje, formalmente, desisti de ti.

domingo, 10 de janeiro de 2010

Hoje fiz as pazes com o passado. Fazia muito tempo que não tinha contacto com ele. Demasiado. Hesitante e ansiosa no presente, saí de casa com medo do futuro ao encontro dele. São as mesmas ruas, os mesmos cheiros mas com uma cara diferente. Por debaixo de uma máscara que esconde outros sentimentos, sítios, emoções, que eu não quero mais repetir, não com a mesma pessoa, não como a pessoa que eu costumava ser. Hoje renasci das cinzas de quem costumava ser e nem me apercebi. Alguém que estava habituada a moldar-se a diferentes realidades só porque temia a rejeição, hoje, aprendi a viver sem me sentir presa como era costume. Sem deixar que o passado me impedisse de ser o que quero. Não sei se gosto da pessoa em quem me transformei. Sou o esboço de várias e diferentes situações, que para o bem ou para o mal, me talharam as formas, mas hoje cheguei a casa na leveza de quem se descartou de um problema. Lembrei-me que antes do mundo todo, estou eu e nunca mais me vou esquecer de olhar por mim, primeiro. Porque o passado, é isso mesmo, passado… e o sítio dele é lá atrás.

Quem me dera estar assim num destes ^^

Música de fim de tarde, várias vezes em "repeat"

Frase da noite

I'm loving it!

sábado, 9 de janeiro de 2010

Não leio muito. Não tanto como gostaria. Mas no entanto, no pouco que vou lendo, foi de um texto de um amigo, que retirei os extractos mentais que aqui escrevo... Sobre fotografia... Pois... parece-me que tudo fez sentido hoje, quando no meio das novas tecnologias recebi um email do outro lado do continente, de familiares envelhecidos que o tempo não perdoou e a distância insiste em separar... Sempre que as recebo, não é alegria o sentimento que me preenche a alma, muito menos a visão... são lágrimas que vejo, escondidas por entre sorrisos, são apelos à proximidade impossível, são vidas que dificilmente se cruzarão novamente, só porque o tempo (outra vez esse maldito conceito), não pára um segundo que seja... São momentos que quero voltar a sentir e que de nenhuma forma vou poder ter... são demónios do passado que voltam para me assombrar sem hipótese de os exorcizar...
Malditos emails... ou serão fotos? Ou o amigo, por descrever tão bem a realidade nua e crua da essência das fotografias? O que escondem por detrás das poses, o sofrimento que nelas ficou imortalizado... Tento seguir o que ele diz:"...o que escolhemos recordar"... tento recordar os bons momentos, mas bolas... são esses os momentos que me fazem sofrer, por os querer ter novamente e saber que cada vez mais, estão distantes.

Imagem da noite

sexta-feira, 8 de janeiro de 2010

Latejos da noite

Before the time goes out, before I run out of forces, before the hands catch me, I'll run away.I can not stand this pain ... the throbbing in my head, the weight of revelations ... I need to escape, before I explode.

Este sim, é para ti...

Por muito que tente, por muito que diga, faça ou aconteça, vai haver sempre alguém como tu no mundo e na vida de um outro alguém, para nos mostrar que não é só de felicidade e amizade que se tecem as relações.
Vai haver sempre um "tu", cheio de falsidade, inveja, perturbado, que retira contentamento da infelicidade dos outros. Infelizmente para ti, vai haver poucos como eu, que se acalmarão sempre que te vêem, mesmo quando a ira nos tolhe o pensamento e nos cega a visão.
Gostava de saber porque razão a idade não te trouxe maturidade, quem te deu tamanho mau fundo, quem te magoou tanto ao ponto de te vingares no mundo inteiro e nos únicos que te poderiam dar a mão... Que contentamento obtens ao mentir descaradamente sobre os outros, fechada no teu mundo de fantasia distorcido e patológico? Que direitos pensas que tens, ao achares que és a dona da razão, imune a qualquer efeito colateral? Será que sabes a quantidade de vezes que foste apanhada nas tuas mentiras? Quantas pessoas se riram de ti? A quantidade de histórias que nem sabes que conheço? As milhas que tinhas de percorrer se eu abrisse a boca da mesma forma que abres para dizeres as tuas mentiras? As mesmas que a seguir repetes: "Ela faz isto e eu nem digo nada", para aumentares o teu efeito de vítima aos olhos dos outros, quando na realidade sabes que não me dizes nada porque são mentiras?
É tão triste... que alguém como tu, gaste a vida e a energia a ser ridícula e infantil... tanta gente que merecia uma oportunidade e mesmo assim sou obrigada a dar razão ao meu avô, quando me dizia que as coisas boas vão sempre para as más pessoas... Mas eu não sou o meu avô, eu acredito na justiça final, no dia em que vais ser enterrada na tua própria trama, nesse dia, não vou estar lá para me rir, porque mesmo agora me rio e além disso, faz muito tempo que evito o contacto contigo... Um dia disseste que se tivesse algum problema, devíamos agir como pessoas adultas que somos e falar pessoalmente... Não o quero! Não porque tenha medo de ti, não só porque me enojas a visão ao saber que existes no mundo, mas sim, porque apesar de tudo, continuo no modo: Calma. O mesmo que felizmente para ti, me faz evitar o confronto sem palavras que já esteve mais longe de acontecer... Não sou certamente a única pessoa que te olha assim, sei que outros te odeiam, por teres achado que tinhas o direito de quebrar laços sagrados de família só para realizares os teus caprichos... A bem dizer, não sei quem te fez tão azeda, mas quanto a isso, não tenho nada a ver... por muito que te custe, não tiveste sucesso! Portanto, um conselho, foge enquanto tens tempo... nem sempre estou tão calma e de certeza que os outros, estão sempre dispostos para umas fofocas a mais. E estas, verdadeiras.